O lado negro do elogio

Erro

Fonte: The Dark Side of Flattery
Henrich Greve | 03 Maio, 2017

Um artigo recente da revista Administrative Science Quarterly, de autoria de Gareth Keeves, James Westphal e Michael McDonald, alerta para o perigo dos elogios exagerados ou sem fundamento.

Pessoas que elogiam muito seus gestores apenas para agradar têm a tendência de ficarem ressentidos com essa pessoa mais rapidamente. Ao violar seus ideais de autenticidade, autonomia e meritocracia, o ato de bajular pode representar uma ameaça à autoimagem de quem faz o elogio. Infelizes com o próprio comportamento, os bajuladores projetam sua culpa no destinatário de seu elogio. Infelizmente, o ressentimento é multiplicado se o adulador for um homem branco e o gestor for de uma minoria racial ou uma mulher.

Outro aspecto negativo é que pessoas ressentidas podem prejudicar o capital social de seu gestor, fazendo comentários negativos sobre sua liderança para o público em geral, dentro e fora da organização.

Alguns fatores que minimizam os riscos dos exageros do elogio estão relacionados a laços de amizade dos envolvidos, características demográficas semelhantes entre eles, quantidade de elogios a pessoa e o nível de sucesso da empresa.

Quase todo mundo gosta de receber elogios. No entanto, o exagero pode gerar um alto custo para quem recebe ou faz o elogio. Neste sentido é importante que, ao receber o elogio, o gestor mantenha o ego sob controle e encoraje relacionamentos mais transparentes com seus liderados, também demonstrando abertura e acolhimento às críticas. Por outro lado, ao fazer um elogio, é importante que ele seja oportuno e tenha fundamento.

Comentários