Como Coca-Cola, Netflix e Amazon aprendem através de suas falhas

Risco

Por que, de repente, tantos líderes empresariais bem-sucedidos começaram a exortar suas empresas e colegas a cometer mais erros e abraçar mais falhas? Em maio, logo depois de se tornar CEO da Coca-Cola Co., James Quincey convocou os gerentes de todos os níveis para ultrapassar o medo do fracasso que haviam perseguido a empresa desde o fiasco “New Coke” há muitos anos atrás. “Se nós não cometemos erros”, ele insistiu, “não estamos tentando o suficiente”.

Em junho, mesmo que sua empresa estivesse desfrutando de sucesso incomparável com seus assinantes, o CEO da Netflix, Reed Hastings, preocupou-se com o fato de seu serviço de transmissão ter muitos shows de sucesso e por estar cancelando poucos shows novos “Nosso índice de sucesso é muito alto agora”, disse ele em uma conferência de tecnologia. “Temos que assumir mais riscos … temos de tentar coisas mais loucas … devemos ter uma taxa de cancelamento mais alta”.

Mesmo o CEO da Amazon, Jeff Bezos, talvez o empreendedor mais bem sucedido do mundo, afirmou que  o crescimento e a inovação de sua empresa são construídos sobre suas falhas.  “Se você vai fazer apostas corajosas, eles serão experimentos” explicou pouco depois da Amazon ter comprado a Whole Foods. “E se eles são experimentos, você não sabe antes do tempo se eles vão funcionar. Os experimentos são, por sua própria natureza, propensos ao fracasso. Mas alguns grandes sucessos compensam dezenas e dezenas de experimentos que não funcionaram.”

A mensagem desses CEOs é tão fácil de entender quanto é difícil para a maioria de nós pôr em prática. Existem inúmeros líderes de negócios e organizações que defendem as virtudes da inovação e da criatividade. No entanto, muitos desses líderes e organizações vivem com medo de erros e decepções – e é por isso que eles têm tão pouca inovação e criatividade. Se você não está preparado para falhar, você não está preparado para aprender. A menos que pessoas e organizações consigam continuar aprendendo tão rápido quanto o mundo está mudando, eles não continuarão crescendo e evoluindo.

Então, qual o caminho certo para estar errado? Existem técnicas que permitem que organizações e indivíduos adotem a conexão necessária entre pequenas falhas e grandes sucessos? Smith College, uma escola apenas para mulheres em Massachusetts, criou um programa chamado “Failing Well” para ensinar aos alunos o que todos nós poderíamos aprender. “O que estamos tentando ensinar é que o fracasso não é um erro, na verdade ele é uma importante parte do aprendizado.” explicou Rachel Simmons, que dirige o programa, em um recente artigo do New York Times. Na verdade, quando os alunos se inscrevem no seu programa, eles recebem um Certificado de Falha que declara que estão “autorizados a cometer erros, falhar ou não serem aprovados” em um relacionamento, um projeto, um teste ou qualquer outra iniciativa que seja extremamente importante e “ainda ser um ser humano absolutamente digno e absolutamente excelente”. Os alunos que estão preparados para lidar com o fracasso são menos frágeis e mais ousados ​​do que aqueles que esperam perfeição e desempenho impecável.

Essa é uma lição que vale a pena aplicar aos negócios também. Patrick Doyle, CEO da Domino’s Pizza desde 2010, teve um dos períodos mais bem-sucedidos de qualquer líder de negócios em qualquer campo. Mas todos os triunfos de sua empresa, ele insiste, estão baseados em sua vontade de enfrentar a probabilidade de erros. Em uma apresentação a outros CEOs, Doyle descreveu dois grandes desafios que impedem as empresas e os indivíduos de serem mais honestos quanto ao fracasso. O primeiro desafio, diz ele, é o que ele chama de “viés da omissão” –  a maioria das pessoas com uma nova ideia escolhe não a perseguir porque, se tentarem algo e não funcionar, podem prejudicar sua carreira. O segundo desafio é superar o que ele chama de “aversão à perda”a tendência para que as pessoas joguem para não perder em vez de jogar para vencer, porque para a maioria de nós “a dor da perda é o dobro do prazer de vencer”.

Criar essa “permissão para falhar é energizante”, Doyle explica que é uma condição necessária para o sucesso – e é por isso que ele intitulou sua apresentação, com desculpas pelo filme Apollo 13, “A falha é uma opção”, e essa pode ser a lição mais importante de todas. Basta perguntar a Reed Hastings, Jeff Bezos, ou o novo CEO da Coca-Cola: não há aprendizado sem falha, não há sucessos sem contratempos.

Fonte: How Coca-Cola, Netflix, and Amazon Learn from Failure
Jesse Sostrin | 10 Novembro, 2017

Comentários